Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Fale conosco via Whatsapp: +55 15 997402138
No comando: Programação Musical

Das 00:00 às 07:00

No comando: Jornal da Nova

Das 07:00 às 10:00

No comando: Programação Musical

Das 07:00 às 16:00

No comando: Programação Musical

Das 07:00 às 23:00

No comando: Programação Musical

Das 10:00 às 17:00

No comando: Tarde Tropical

Das 16:00 às 18:00

No comando: Toca Brasil – As Mais Pedidas

Das 17:00 às 18:00

No comando: Tropical Nos Esportes – Com a Equipe FUTeMAIS

Das 18:00 às 19:00

No comando: Tropical à Noite

Das 20:00 às 22:00

No comando: Voz da Verdade

Das 22:00 às 23:59

Menu

Correios abandonam negociação com tribunal e categoria ameaça parar

Os Correios rejeitaram uma mediação feita pelo TST (Tribunal Superior do Trabalho) com funcionários. É a primeira vez que uma empresa fecha as portas, de forma unilateral, em negociação capitaneada pela corte. Com a decisão, sindicalistas ameaçam deflagrar greve a partir de terça-feira (10).

A Vice-Presidência do TST é responsável por arbitrar impasses envolvendo categorias de empresas com abrangência nacional.

A mediação se dá em fase pré-processual para evitar a judicialização -o chamado dissídio. Na terça-feira (3), esse procedimento foi extinto pelo vice-presidente do TST, ministro Renato de Lacerda Paiva.

Desde abril, o órgão tentava encontrar uma solução para os conflitos entre empresa e trabalhadores. A data-base dos funcionários dos Correios é em 1º de agosto. O acordo coletivo foi prorrogado por 30 dias.

O principal desentendimento está no plano de saúde pago a mães e pais de funcionários dos Correios. No ofício, a empresa afirmou que gasta por ano mais de R$ 500 milhões com planos de saúde desses dependentes.

A empresa disse ainda que precisa cortar gastos com a folha para manter os serviços. Segundo os Correios, os salários consomem R$ 12 bilhões por ano, ou 62% do custo operacional.

Em nota, os Correios afirmaram que desde o início de julho participam da mesa de negociação sob mediação do TST e que não houve consenso nas propostas apresentadas ao longo de dez encontros.

Deixe seu comentário: